.
.

Artigos

A única mãe que consegue cuidar dos filhos é a que está viva!

Publicados

em

image_pdfimage_print

O Dia das Mães está chegando, com as homenagens, as flores, os presentes. Porém, em meio à celebração, essa frase não me sai da cabeça.

Ouvi, confesso que com lágrimas, essa frase de uma mulher, numa cidade do interior de Mato Grosso, pálida, tremendo. Chorou ao falar e mostrou o botão do pânico em sua mão. Essa senhora (cujo nome não se pode revelar) foi vítima de violência doméstica e, sem alternativa, teve que ir embora de casa, sem levar os filhos.

Não podemos nos esquecer das dores dessas mulheres que, em meio à celebração de tantas e tantas famílias, são mães e sofrem violência dentro de casa. Essas sonham mesmo é com um presente muito caro e singelo: um dia de paz com seus filhos, em total segurança. Sonham, com o que nós temos.

Não podemos nos esquecer dos filhos separados das mães, das mães que arriscam suas vidas permanecendo sob ameaça, pois não podem levar os filhos consigo (como fez a do exemplo, sob a pena de ter a alma dilacerada – enquanto luta pela preservação da vida).

Leia Também:  O Saber e o Sabor do Direito

Também não podemos nos esquecer dos órfãos que perderam sua maior referência afetiva para essa pandemia de violência, que culmina com o feminicídio.

A necessidade de combate à violência doméstica contra a mulher não se explica somente com números. É preciso que nossa sociedade tenha o compromisso com o humano e com a dor do outro.

Nos deparamos com esta realidade em pleno século 21. A humanidade exalta suas inovações tecnológicas e até mesmo parece estar mais perto de descobrir os mistérios da vida. No entanto, o que temos para hoje no Brasil é a barbárie.

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que em 2021, no Brasil, 2300 pessoas ficaram órfãs em razão do feminicídio.

A mãe assassinada, o pai preso ou foragido, e uma marca eterna nessas crianças, uma chaga social, pois precisam de amparo estatal para prosseguir em seu desenvolvimento.

O Dia das Mães (e todas as datas que lembram o amor e a fraternidade) são importantes para mudar paradigmas. A ambiência de respeito, valorização, igualdade, parceria no núcleo familiar que é capaz de afastar, de uma vez por todas, a violência dos lares.

Leia Também:  Dinâmica eleitoral

Porém, é preciso lembrar que a inclusão da mulher no mercado de trabalho também é presente de Dia das Mães. Celeridade nos processos de violência contra a mulher também é presente de Dia das Mães. Conscientização sobre a violência também é presente de Dia das Mães. E muitas vezes, essas e outras ferramentas são o que garantem que aquele filho possa ao menos continuar tendo “a mãe viva”.  O único tipo de mãe que tem possibilidade de educá-lo.

Neste Dia das Mães, precisamos refletir sobre quem é essa mãe agredida, presenteá-la com o que há de mais precioso: o direito à vida, à liberdade, o direito de ir e vir sem medo. E que este presente se estenda também aos seus filhos, para que tenham um futuro saudável longe de tragédias anunciadas.

* Glaucia Anne Kelly Rodrigues do Amaral é presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB-MT e Procuradora do Estado.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Artigos

Idade: suas consequências

Publicados

em

image_pdfimage_print

Atualmente, os idosos estão sentindo sem temor para buscar seus direitos previstos na Constituição Federal de 1988, que nos assegurou direitos através do Estatuto do Idoso, Lei número 10.741 de 1 de outubro de 2003.

É evidente que todas as pessoas e instituições devem dar cada vez mais prioridades e assistências aos idosos.

Em 12 de julho de 2017, houve alteração do Artigo 3º,15º e 71º, disposto na Lei 13.466, estabeleceu que após 80 anos os Idosos devem receber e ter assegurado tratamento diferenciado em todos os espaços da sociedade: “Prioridade da Prioridade”.

Independente da história de vida da pessoa idosa, cor da pele, gênero ou localidade de sua procedência, todos os idosos precisam estar amparados pelo Artigo 5º da Constituição Federal de 1988 que reza: “Todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza…”. Isso torna mais confortável porquê encontramos respaldo, tanto na Lei quanto nas Instituições, principalmente na Delegacia da pessoa idosa com profissionais treinados.

Leia Também:  O Saber e o Sabor do Direito

A imprensa tem executado trabalhos relevantes para melhoria da qualidade de vida dos idosos, divulgando a Delegacia do idoso e Ministério Público para que seja penalizado toda e qualquer prática de violência contra o cidadão idoso.

O Delegado titular da Delegacia Especializada de Delitos Contra a Pessoa Idosa, (DEDCPI), Vitor Chab, é transparente e profissional quando afirma “As demandas voltadas para as vítimas idosas vem aumentando cada dia mais…” (01/05.2022 para Midianews). Os servidores da Delegacia do idoso trabalham incansavelmente para melhoria de vida de todos os cidadoes idosos.

Nós, enquanto sociedade, confirmamos que, o isolamento social com ocorrência da Covid-19 o índice de violência cresceu, evidenciando que gerou mais buscas dos idosos por direitos adquiridos.

Segundo Vitor Chab, pontuou: “Nós temos um judiciário forte, uma polícia forte, um Ministério Público ,uma defensoria pública e tendo um juiz que tenha a expertise para tratar a pessoa idosa, quem ganhará é a sociedade” (01/05.2022 para Midianews).

É importante, porque é:  punindo os agressores, que sentimos mais segurança. A justiça demonstra para que todos tenham ações em prol de uma sociedade mais igualitária.

Leia Também:  Dinâmica eleitoral

Sejamos céleres para denunciar abusos contra os idosos.

Violência jamais!

GRACI OURIVES DE MIRANDA, professora/escritora.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA