Mundo

Boris Johnson se diz “preocupado” com variante brasileira do coronavírus

Publicados

em

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, declarou nesta quarta-feira (13/1) que está “preocupado” com a nova mutação do coronavírus de origem brasileira. A variante foi detectada em amostras encontradas de quatro brasileiros que desembarcaram em Tóquio, no Japão, no início do ano e confirmada na terça-feira (12/1) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

De acordo com o jornal The Sun, Johnson acredita que o controle das fronteiras feito pelo Reino Unido será suficiente para impedir que a nova cepa chegue ao país. A Grã-Bretanha proibiu voos diretos da África do Sul para tentar impedir a disseminação da variante africana, mas ainda não está certo se isso será feito em relação ao Brasil.

Especialistas do Grupo Consultivo de Ameaças de Vírus Respiratórios Novos e Emergentes (Nervetag, da sigla em inglês) também demonstraram apreensão em relação à mutação brasileira do coronavírus. Jeremy Hunt, presidente do órgão britânico, reforçou aos parlamentares do Reino Unido que o país já tem “medidas duras” para impedir que novas infecções venham do exterior. “Estamos tomando medidas para fazer isso em resposta à variação brasileira”, completou.

Leia Também:  Mãe mata filho autista asfixiada por uma esponja de banho

Nesta terça-feira (12/1), o ministério japonês da Saúde anunciou que pesquisadores do país pretendem isolar a nova cepa do coronavírus identificada no Brasil. O objetivo é estudar a variante para avaliar se há impactos na transmissão e na letalidade do vírus. Segundo as autoridades de saúde japonesas, a nova variante do vírus tem semelhanças com as cepas altamente contagiosas identificadas no Reino Unido e na África do Sul.

 

Por Metrópoles 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mundo

Mãe mata filho autista asfixiada por uma esponja de banho

Publicados

em

Olga Freeman confessou ter matado o próprio filho, de 10 anos, após sofrer um colapso mental durante o confinamento provocado pela pandemia de coronavírus. A mulher sofria de transtornos mentais e estaria passando por problemas para cuidar do filho de 10 anos, que tinha autismo, atraso no desenvolvimento neurológico global, miopia progressiva e dificuldades significativas de linguagem e comunicação, autoajuda e independência.

A criança foi encontrada asfixiada por uma esponja de banho em sua cama no bairro de Acton, em Londres, na Inglaterra. O assassinato ocorreu no dia 15 de agosto de 2020, mas a condenação só foi finalizada recentemente.

De acordo com informações do jornal The Mirror, Dylan, filho de Olga, precisava de cuidados 24 horas por dia e frequentara uma escola especial cinco dias por semana. Quando o confinamento começou no Reino Unido, por conta da pandemia de Covid-19, a escola da criança foi fechada, o que teria piorado a situação psicológica da mãe.

A sentença de homicídio culposo (com intenção de matar) foi dada durante uma audiência virtual em Old Bailey, em Londres. Após a audiência, a Polícia Metropolitana de Londres afirmou que Olga havia conversado com amigos sobre as dificuldades que estava enfrentando para cuidar do filho.

Dylan foi encontrado deitado de costas, coberto por um edredom com partes de uma esponja alojada em sua garganta. Um sutiã estava preso à boca da criança, que também tinha fita adesiva. À polícia, Olga disse que deu ao filho comprimidos de melatonina e usou o sutiã para prender a esponja na garganta do filho.

Leia Também:  Após matar os 5 filhos, mulher comete suicídio e confessa crime em bilhete

Quando foi encontrado, o corpo do menino estava rodeado de brinquedos. Segundo a mãe, os objetos foram espalhados pela cama para “permitir que ele morresse com dignidade e bondade.”

Olga Freeman é casada com Dean Freeman, conhecido por fotografar celebridades. Ele tirou fotos para algumas das capas de álbuns mais icônicas dos Beatles, além de ter feito ensaios com as Spice Girls, David Beckham, Bradley Cooper e Emily Ratajkowski.

De acordo com sua advogada, Olga sofria de “doença depressiva com sintomas psicóticos” quando matou o próprio filho.

Conversas anteriores

Uma semana antes de cometer o crime, Olga teria falado a amigos que “seu trabalho” seria “sacrificar meu filho amado para criar um equilíbrio neste mundo.”

De acordo com o depoimento dado à polícia britânica, Olga teria assassinado o filho por volta da meia-noite do dia 15 de agosto. Poucas horas antes, às 22h, ela havia enviado uma mensagem de texto para uma amiga, Edita Surpickaja, dizendo: “Terminei. Onde você está?”.

Leia Também:  Mãe mata filho autista asfixiada por uma esponja de banho

No dia seguinte, a amiga foi à casa de Olga e descobriu que a mulher havia reservado dois lugares em um vôo do Aeroporto Luton, em Londres, para Tel Aviv, em Israel. De acordo com a polícia, Olga disse à amiga que estaria recebendo “mensagens em sua cabeça”.

Quando chegou à casa de Olga, Surpickaja foi orientada a não entrar no quarto da criança. A mãe teria dito: “Fiz o que fiz. Precisamos ir à Jerusalém”. A amiga, então, escondeu o passaporte de Olga e gravou uma conversa na qual a mulher confirmava que havia matado o filho por “não ter outra escolha.”

Surpickaja conseguiu convencer Olga a se entregar. Ao chegarem à delegacia, Freeman teria anunciado, em voz alta: “Eu matei meu filho.”

Os policiais chegaram à casa de Freeman cerca de duas horas depois dela ter ido à delegacia para confessar o crime. O menino foi declarado morto no local e sua mãe foi presa cerca de uma hora depois.

Jane Bickerstaff QC, advogada de Olga, disse ao tribunal que “todos os psiquiatras concordaram” que a responsabilidade de sua cliente no momento do assassinato foi diminuída, já que ela estava sofrendo de uma “doença depressiva com sintomas psicóticos“.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

Beth`s Grill Restaurante

VÍDEO INSTITUCIONAL

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA