.

Policial

Inquérito sobre morte de empresária é concluído e autor do crime indiciado por latrocínio

Publicados

em

image_pdfimage_print


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil concluiu o inquérito sobre a morte da empresária Rosemeire Soares Perin, 52 anos, ocorrido em Várzea Grande no dia 16 de fevereiro deste ano, com indiciamento de duas pessoas envolvidas no crime. O inquérito da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá (DHPP) foi remetido ao Poder Judiciário, em Várzea Grande.

O delegado Caio Fernando Albuquerque indiciou J.R.S., de 33 anos, pelos crimes de roubo seguido de morte (latrocínio) e ocultação de cadáver. O outro envolvido, P.P.A. de 29 anos, foi indiciado nos crimes de ocultação de cadáver, resistência à prisão e tráfico de drogas.

A investigação sobre a morte da empresária contou com a colaboração das equipes dos delegados Fausto Freitas e Marcel Oliveira.

Rosemeire Perin desapareceu no dia 16 de fevereiro, após sair de sua casa no bairro Dr. Fábio, em Cuiabá, para entregar mercadorias em Várzea Grande. O corpo dela foi localizado dois dias depois na estrada da Guarita, enrolado em lençóis e numa lona plástica.

Responsável pelo Núcleo de Pessoas Desaparecidas da DHPP, o delegado Fausto Freitas informou que a equipe da delegacia trabalhou a partir do registro da ocorrência de desaparecimento da empresária para esclarecer o que ocorreu com a vítima desde que ela saiu de casa para trabalhar, em seu veículo, um HB20, na terça-feira (16), do bairro Dr. Fábio, na Capital, e não deu mais notícias aos familiares.

A equipe do NPD realizou diligências, ouviu familiares e levantou informações. Na quinta-feira à tarde, a delegacia recebeu informação de que o corpo da empresáriaestava próximo a um barranco, na estrada da Guarita, em Várzea Grande.

Morte

Ela trabalhava há mais de 10 anos com a venda de produtos e embalagens para festas, máquina de sorvetes e outros equipamentos do ramo. Na terça-feira, 16 de fevereiro, foi até Várzea Grande para entregar produtos que o autor do crime havia adquirido e também cobrar uma dívida. A vítima já tinha uma relação de comerciante e cliente com o suspeito, cuja família trabalhava há dez anos com a venda de sorvetes. Em março de 2020, o suspeito comprou uma máquina de sorvete de Rosemeire no valor de R$ 7 mil, que posteriormente apresentou problema e precisou passar por manutenção, que ela mesma realizou. Do valor da manutenção da máquina, com a qual vendia sorvete em um supermercado, ele ficou devendo uma parte, e depois comprou mais um equipamento, um batedor de milk shake, e embalagens.

Leia Também:  Polícia Civil lamenta morte do investigador de polícia Alex Jorge da Silva

O homem de 33 anos deu um golpe que deixou Rosemeire desacordada. Depois ele a amarrou a vítima com fita adesiva e a amordaçou. Passado um tempo, ela despertou e, segundo o suspeito declarou, ele pegou uma faca de cozinha e golpeou o pescoço da vítima. Depois de cometer o crime dentro do quarto, conforme apontou levantamento da Perícia Oficial, o suspeito procurou um parente e pediu ajuda, mas não conseguiu.

Ocultação do corpo

O autor confesso do crime procurou então, a ajuda de outra pessoa, com quem já havia trabalhado em um lava-jato, para ocultar o corpo de Rosemeire. Por volta das 22h da terça-feira, 16 de fevereiro, eles voltaram à quitinete, enrolaram o corpo em um lençol, uma lona e um edredom, e depois seguiram até a região da estrada da Guarita, onde jogaram o cadáver em um barranco.

Em diligências na quinta-feira, dia 19/02, uma equipe do Batalhão da Rotam abordou o veículo que era conduzido pelo suspeito e com ele foi encontrada a carteira de habilitação da vítima. Conduzido à DHPP, em um primeiro depoimento ele deu informações contraditórias e negou. Depois, acabou confessando o que acreditou que seria um crime ‘perfeito’ e informou que recebeu ajuda de uma segunda pessoa.

O segundo suspeito, que deu apoio para o transporte e ocultação do corpo, foi detido ainda na quinta-feira, também por uma equipe da Rotam. Na delegacia, ele negou que tivesse cometido o crime, inclusive o tráfico de drogas pelo qual foi detido também em flagrante, e que não teve qualquer participação na ocultação do corpo de Rosemeire.

Leia Também:  Palestra "on-line": Planejamento Operacional e Gerenciamento de Risco

Contradições e provas

A investigação, baseada em inúmeras evidências, exames periciais e oitiva de testemunhas, concluiu que o autor do crime decidiu tirar a vida da vítima não apenas por ter ‘perdido a cabeça’ com a cobrança recebida por uma dívida que tinha com Rosemeire, como afirmou em depoimento. O conjunto de informações reunidas no inquérito aponta que ele, decidido a subtrair o veículo da vítima, um carro modelo HB 20, e percebendo o momento oportuno, não teve dúvidas em agir. Além disso, a apuração constatou ainda que a alegação dele, de que havia um vínculo de intimidade com a vítima. não se confirmou.

“Só que, para tanto, e até mesmo para não sofrer consequências criminais, o que confirmou em interrogatório, a matou em sua quitinete, com requintes de crueldade. Após, preparou todo o cenário para a ‘segura’ ocultação do cadáver, para o que contou com apoio do outro investigado”, explicou o delegado Caio Albuquerque.

A investigação apurou as alegações dadas pelo autor do latrocínio, que em um dos depoimentos assumiu o crime, mas informou que a vítima esteve no lava jato após entregar as mercadorias que ele havia comprado e que permaneceu no local aguardando a lavagem de seu veículo e que depois, aina segundo ele, retornaram à quitinete dele para fazer a testagem do batedor de milk shake, quando então Rosemeire foi morta.

Testemunhas ouvidas pela DHPP negaram que a Rosemeire tenha estado no lava jato no dia em que morreu. Inclusive, uma delas informou à Polícia Civil que o autor do crime foi ao lava jato por três dias consecutivos para lavar o veículo, do qual ele se apossou após cometer o crime.

“O que constatamos e está nos autos, de forma coerente e objetiva, é a situação de uma mulher que, deslocando-se para a entrega de um maquinário e mercadoria, acabou caindo em uma verdadeira cilada, tendo seu veículo subtraído, seguido de sua morte e ocultação do cadáver”, concluiu o delegado.

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Policial

Polícia Civil encaminha 29 armas para destruição em São José dos Quatro Marcos

Publicados

em

Por

image_pdfimage_print


Assessoria/Polícia Civil-MT

 

Vinte e nove armas de fogo apreendidas em procedimentos policiais instaurados na Delegacia de São José dos Quatro Marcos (315 km a oeste de Cuiabá) foram entregues pela Polícia Civil, na segunda-feira (12.04), ao Exército Brasileiro para destruição.

As armas de fogo, sendo 15 espingardas, 10 revólveres e quatro pistolas, foram apreendidas em ações policiais e estavam relacionadas a inquéritos policiais antigos instaurados pela Polícia Civil.

 

De acordo com o delegado de São José dos Quatro Marcos, Edison Ricardo Pick, as armas e munições retornaram do Fórum em 2017, quando o Poder Judiciário deixou de receber armamentos e devolveu armas e munições de procedimentos que estavam em seu poder.

O armamento estava armazenado no cofre da unidade policial e foi encaminhado para destruição após representação do delegado.  A remessa de armas foi  entregue ao 2º Batalhão de Fronteira em Comando de Fronteira Juaru/ 66º Batalhão de Infantaria Motorizada, localizado no município de Cáceres. 

“O trabalho foi para destruição de todo armamento apreendido e que estava armazenado na delegacia foi iniciado em 2019 e está sendo finalizado agora devido aos trâmites necessários”, explicou o delegado.

Leia Também:  Polícia Civil prende mulher envolvida em roubos de cargas e caminhões na região sul de MT
 

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

Beth`s Grill Restaurante

VÍDEO INSTITUCIONAL

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA