Saúde

Alergias durante o inverno: veja como combatê-las

Published

on

Alergias durante o inverno: veja como combatê-las
Redação EdiCase

Alergias durante o inverno: veja como combatê-las

Médica explica como se proteger de crises alérgicas nessa época do ano

Com a chegada do inverno, passar mais tempo em locais fechados e a maior incidência de gripes e resfriados são algumas das causas que favorecem o aumento das doenças alérgicas, como a rinite, a bronquite e a asma. 

“As principais causas de alergias respiratórias são, em primeiro lugar, a predisposição genética, que é determinante. Dos alérgenos ambientais, os ácaros são os mais frequentemente envolvidos nas reações alérgicas, especialmente as respiratórias, seguidos pelos pólens, pelos de animais e o mofo”, enumera a Dra. Adriana Vidal Schmidt, médica alergista. 

Tratamentos contra alergias 

A alergia é uma doença crônica, por isso ela costuma apresentar períodos de melhora e de piora ao longo dos anos. “O principal tratamento é afastar os alérgenos envolvidos e usar medicações preventivas por longos períodos, entre as quais damos preferência ao uso de medicações de ação local (os corticoides tópicos nasais, no caso da rinite; os inalatórios, no caso da asma), aliados ao uso de medicamentos antialérgicos (anti-histamínicos) por via oral, conforme necessidades individuais”, explica a Dra. Adriana Vidal Schmidt.

Leia Também:  Monkeypox: OMS muda o nome das variantes do vírus; entenda motivo

Em alguns casos de alergias respiratórias, é possível realizar um tratamento com vacinas específicas, injetáveis, com o objetivo de promover, a longo prazo, a redução dos sintomas de maneira mais duradoura. Entretanto, as indicações específicas de tratamentos e a avaliação de cada caso só poderão ser feitas por um médico especialista.

Gripe e resfriado: conheça as diferenças e saiba como se proteger

Como evitar as crises alérgicas 

Algumas atitudes podem ser tomadas para evitar o aumento de crises durante os períodos de frio. “A vacina para gripe está indicada em todas as faixas etárias, e irá prevenir quadros virais mais graves, com febre alta, calafrios, mal-estar e os quadros mais debilitantes, sendo especialmente indicadas nas crianças menores e nos idosos. Como a asma é mais comumente desencadeada por infecções virais do que bacterianas, indiretamente, com a vacinação, reduzimos estes casos”, conclui a médica alergista. 

Além disso, evitar locais fechados e com muitas pessoas, retirar carpetes e bichos de pelúcia do quarto também pode auxiliar a diminuir as crises alérgicas. 

Leia Também:  Ministério da Saúde: Queiroga anuncia novo secretário-executivo

Natação para melhorar a saúde 

As atividades físicas são grandes aliadas no combate a doenças, pois, quando praticadas regularmente, aumentam a capacidade do sistema cardíaco e respiratório, além de melhorar o condicionamento físico. A natação está entre as atividades que cumpre esse papel muito bem.  

“Algumas vantagens do meio líquido são a diminuição do trabalho de apoio e de sustentação do corpo, aumento do volume cardíaco, […] favorecendo a expiração, regulação do ritmo respiratório, trabalho intenso dos membros superiores e umidade das vias aéreas superiores, importantes para alunos que são acometidos de problemas respiratórios”, esclarece Bruna Bacelar de Araujo Carvalho, professora de natação e hidroginástica.  

A especialista também alerta que o condicionamento reduz a probabilidade de crise respiratória, como a asma, por causa da diminuição da necessidade ventilatória para alguma tarefa cotidiana ou exercícios físicos.  

Veja mais conteúdos na  revista ‘Saúde e Bem-estar’

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Saúde

Acordar de madrugada para comer pode indicar distúrbio do sono

Published

on

Acordar de madrugada para comer pode indicar distúrbio do sono
FreePik

Acordar de madrugada para comer pode indicar distúrbio do sono

Acordar no meio da noite para revirar a geladeira em busca de alimentos pode ser um distúrbio de sono, porque o organismo da maioria das pessoas está preparado para o jejum durante a madrugada e não digerir comidas calóricas e em abundância durante o período do sono. O distúrbio alimentar associado ao sono e a síndrome do comer noturno podem explicar esta conduta atípica.

“Nessas pessoas, o organismo entende que a hora de maior funcionamento seria à noite. Por causa disso, têm pouca fome de manhã e mais apetite à noite”, afirmou médica e pesquisadora do Instituto do Sono Dalva Poyares.

A síndrome do comer noturno é um distúrbio alimentar que se caracteriza pelo aumento da necessidade de ingestão de alimentos à noite, antes do período principal de sono e com despertares noturnos para comer. O comer noturno pode ter explicações ligadas ao metabolismo e ao ritmo circadiano, que é o relógio interno do organismo do indivíduo.

Há pessoas, chamadas de vespertinas, que são mais ativas no período noturno.Para identificar o distúrbio de sono de forma correta, os médicos investigam se o paciente se lembra, ou não, de ter despertado para comer.

Leia Também:  O que se sabe sobre o Langya henipavirus, identificado na China

A amnésia total ou parcial do fato é um indicativo de distúrbio alimentar associado ao sono, que pode ser desencadeado por medicamentos hipnóticos ou por parassonia, que é um comportamento semelhante ao sonambulismo.

Na síndrome do comer noturno, o paciente tem consciência do que ingeriu e memória dos eventos no dia seguinte.

Segundo a médica, o distúrbio alimentar associado ao sono acomete pessoas com propensão a ter parassonia e se caracteriza por despertares noturnos acompanhados de comportamento exclusivamente relacionado à mastigação e à deglutição de alimentos ou substâncias.

No dia seguinte, a pessoa não tem memória do fato ou apresenta apenas alguns fragmentos de lembrança.“Quem tem esse distúrbio de sono tende a comer alimentos não usuais ou misturar alimentos que não combinam e que nunca consumiriam, se estivessem conscientes, podendo acordar nauseado ou se sentindo mal”, explicou Dalva Poyares.

Ela disse que medicamentos hipnóticos usados para combater a insônia também podem desencadear o distúrbio de sono em qualquer pessoa. Ao ingerir o medicamento, em vez de dormir, a pessoa tem comportamento de sonambulismo.

“Uma das coisas que acontecem é a pessoa comer e não lembrar. Nesse momento ela corre riscos associados à ingestão de substâncias tóxicas, coisas que estão na geladeira e não estão muito boas, misturar alimentos que não combinam, ou mesmo ter lesões por cozinhar ou preparar alimentos durante a madrugada, ou acordar se sentindo mal”, afirmou.

Leia Também:  Monkeypox: OMS muda o nome das variantes do vírus; entenda motivo

De acordo com a pesquisadora, há tratamentos disponíveis para os distúrbios de sono. Se o comportamento persistir, é preciso procurar ajuda profissional. “É preciso investigar as causas da superficialidade do sono e os motivos que fazem o sono ficar fragmentado para tratar. Se não se encontrar nada, é sinal de sonambulismo, que é outro tratamento.”

A médica alerta que essa situação pode ser perigosa e recomenda que se tomem medidas de segurança como retirar objetos perfurocortantes do ambiente, dificultar o acesso à geladeira, além de fazer o tratamento para sanar tais distúrbios.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA