Saúde

Anvisa inclui dose reforço na bula da vacina Pfizer

Publicados

em

image_pdfimage_print


source
Vacina da Pfizer
Heudes Regis/SEI

Vacina da Pfizer

Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou, nesta quarta-feira (24), a inclusão da dose de reforço da  vacina da Pfizer na bula do imunizante. Essa dose é indicada para pessoas com 18 anos ou mais. Ainda, a terceira dose deve ser administrada com m intervalo mínimo de seis meses após a segunda dose. 

O pedido de alteração na bula do imunizante foi feito pela empresa fabricante  em 28 de setembro. No entanto, a aprovação é temporária. Para que ela seja concreta, a Anvisa exige que a Pfizer apresente novos dados clínicos sobre a eficácia, a imunogenicidade e a segurança da dose de reforço. 

“Nós vamos fazer uma aprovação condicional dessa utilização da dose de reforço”, disse Gustavo Mendes, gerente de medicamentos da Anvisa. A decisão da agência reguladora será publicada no Diário Oficial na quarta-feira.

Além disso, a Anvisa informou que a Pfizer concordou em divulgar os dados adicionais de eficácia, imunogenicidade e segurança da dose de reforço. Durante reunião nesta quarta, o órgão afirmou que “o benefício-risco do uso da terceira dose é positivo a depender do contexto epidemiológico da pandemia no país, tendência de queda da efetividade da vacina, e deve considerar os dados limitados de segurança disponíveis”.

Leia Também:  Covid: Vacinação infantil depende de dados da Pfizer contra a Delta, diz Anvisa

Embora agora a dose reforço esteja aprovada pela Anvisa, o Ministério da Saúde já havia recomendado a terceira dose no dia 18 de novembro. “Deverá ser, preferencialmente, da plataforma de RNA mensageiro (a Pfizer) ou, de maneira alternativa, vacina de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca), independente do esquema vacinal primário”, informou a pasta.

Leia Também

Ou seja, o indivíduo com o esquema vacinal (duas doses) completo com as vacinas CoronaVac, AstraZeneca, Pfizer ou mix AstraZeneca/Pfizer, deve receber, preferencialmente, a Pfizer como dose de reforço.

Ainda no dia de hoje, a Anvisa destacou que, apesar da recomendação do Ministério, o ideal é aguardar a decisão concreta da Agência quanto o uso ou não da dose de reforço heteróloga (com imunizante diferente do utilizado no esquema vacinal) ou homólogo (mesmo imunizante).

Leia Também:  Dezembro Laranja: população 'subestima' câncer de pele, diz dermatologista

“Caso o Ministério da Saúde mantenha a decisão de ampliar a dose de reforço independente da bula aprovada pela Anvisa, reafirmo, o ideal é que a vacinação de reforço esteja aprovada nas bulas da Anvisa”, ressaltou a diretora da Anvisa, Meiruze Freitas.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde lança edital para contratar mais de 21 mil médicos

Publicados

em

Por

image_pdfimage_print


source
Ministério da Saúde lança edital para contratar 21,5 mil médicos em todo o país
Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Ministério da Saúde lança edital para contratar 21,5 mil médicos em todo o país

O Ministério da Saúde lançou o primeiro edital do Programa Médicos pelo Brasil com mais de 21,5 mil vagas. A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União na última sexta-feira. A proposta substitui o antigo Mais Médicos, criado em 2013, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.

Os médicos selecionados vão poder atuar em 5.233 municípios brasileiros. De acordo com o ministério, são oferecidos aos participantes formação em medicina de família e comunidade, gratificação para a atuação em áreas remotas e de saúde indígena, além da possibilidade de contratação sob regime CLT. A previsão é que o edital do processo seletivo seja publicado ainda em dezembro.

Leia Também

Em novembro, a pasta informou que os contratos do Mais Médicos ainda continuarão vigentes até “o fim dos prazos estabelecidos”. Lançado em 2019, o Programa Médicos pelo Brasil tem como objetivo de estruturar a carreira médica federal para as regiões remotas e alta vulnerabilidade social. O orçamento previsto para o primeiro ano do programa é de R$ 1,2 bilhão.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

Beth`s Grill Restaurante

VÍDEO INSTITUCIONAL

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA