Saúde

SP: Ricardo Nunes sanciona lei que define prática da telemedicina na capital

Publicados

em

image_pdfimage_print


source
Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes
Foto: Reprodução/Prefeitura de SP

Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes

Nesta terça-feira (23), o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB) , sancionou a lei municipal que define a prática da telemedicina de forma permanente na capital paulista.

A regulamentação dos procedimentos mínimos ficará a cargo da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), de acordo com as normas do Conselho Federal de Medicina (CFM), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Ministério da Saúde.

Os padrões de qualidade do atendimento nas especialidades médicas seguirão as diretrizes de boas práticas estabelecidas pelas sociedades de especialidades reconhecidas pela Associação Médica Brasileira ou pelo próprio Ministério da Saúde.

Segundo o texto aprovado, o método de atendimento só poderá ser realizado após a autorização do paciente ou do responsável legal.

Leia Também

A fim de esclarecer as dúvidas da população sobre a telemedicina na rede municipal de saúde, o município deve promover campanhas informativas.

Plataforma paulistana

O aplicativo e-saúdeSP é a plataforma de integração de dados clínicos e telemedicina que reúne todo o histórico do paciente do Sistema Único de Saúde (SUS) na capital paulista. 

Desde a sua implantação, em junho de 2020, já ultrapassou a marca de 4,5 milhões de acessos, 1,1 milhão de usuários, além de mais de 1 milhão de downloads. Até o momento, a plataforma já permitiu a realização de 444.953 teleatendimentos, telemonitoramentos e teleconsultas.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Fila com mais de 2 horas já atinge 75% dos hospitais privados de SP

Publicados

em

Por

image_pdfimage_print


source
Fila com mais de 2 horas já atinge 75% dos hospitais privados de SP
Rogerio Santana/Governo do Rio de Janeiro

Fila com mais de 2 horas já atinge 75% dos hospitais privados de SP

Em sete a cada dez hospitais privados do estado de São Paulo pacientes com suspeita de Covid-19 esperam pelo menos duas horas por atendimento. Em alguns serviços, a fila ultrapassa três horas. A conclusão é da maior pesquisa já realizada pelo setor, coordenada pelo SindHosp – Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo, e obtida com exclusividade pelo GLOBO. No total, 81 hospitais privados participaram, sendo 21% da capital e 79% do interior.

De acordo com o levantamento, o principal problema dos hospitais no atendimento desses pacientes refere-se ao afastamento de funcionários infectados. Em seguida, está o aumento da demanda maior que a capacidade de atendimento nos pronto- socorros: cerca de 60% dos serviços tiveram aumento acima de 100% no atendimento de urgência de pacientes com Covid-19 e 55% apresentaram o mesmo crescimento no atendimento de síndrome gripal nos últimos 15 dias.

Impacto nas internações

O aumento do número de pessoas contaminadas já se reflete nas internações. A pesquisa constatou que mais de 80% dos hospitais da amostra pesquisada estão com ocupação de 40% nos leitos de UTI para Covid-19. Nos leitos clínicos, a maioria dos hospitais relata 28% de ocupação para paciente infectados com coronavírus.

Leia Também:  Na pandemia, brasileiro bebeu mais, fez menos exercícios e ganhou peso

Segundo o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp, a tendência de queda nas internações de UTI observada desde outubro do ano passado teve uma reversão logo após o período das festas de fim de ano.

“Este índice de 40% de ocupação de leitos em UTI indica uma tendência de crescimento das internações em UTI e acende um sinal amarelo, exatamente em um momento que enfrentamos falta de testes, o afastamento de profissionais de saúde e o apagão de dados”, diz Balestrin.

Por outro lado, ele ressalta que desde o final do ano passado, quando as internações caíram drasticamente, houve redução de leitos de UTI para Covid. Estima-se que atualmente, os hospitais disponibilizam de 10% a 15% dos leitos de UTI para Covid. No auge da pandemia, esses números estavam em 40% a 50%. Isso reforça a percepção de que apesar do aumento e da piora nos indicadores, o cenário atual não é tão grave quanto aquele observado nas ondas anteriores.

Leia Também

Apesar do apagão de dados, 100% dos hospitais pesquisados confirmam que regularmente notificam as autoridades sanitárias sobre a Covid-19.

Faixa etária

A pesquisa mostrou no serviço de urgência/emergência, a maioria parte (51%) dos pacientes têm entre 30 a 50 anos. Em seguida, respondendo por 30,5% dos atendimentos estão os pacientes de 60 a 79 anos.

Leia Também:  Autoteste de Covid: como funciona nos EUA e na Europa

Como já era de se esperar, nas internações, a faixa etária se inverte: 48,5% dos pacientes internados em UTI com Covid-19 têm entre 60 e 79 anos. Essa faixa etária é considerada de risco para a doença. Aqueles de 30 a 50 anos correspondem a 34% dos internados em terapia intensiva. Em enfermaria, a tendência é semelhante: 45,21% têm entre 60 a 79 anos e 35,62% entrea 30 a e 50 anos.

Na síndrome gripal, isso é invertido. A maioria dos pacientes hospitalizados – em enfermaria e UTI – tem entre 30 e 50 anos. Em seguida, estão aqueles na faixa etária dos 60 aos 79 anos.

Falta de testes

A falta de testes observada em farmácias e laboratórios também afeta os hospitais. De acordo com a pesquisa, 72,60% dos hospitais relatam dificuldades na reposição de testes.

A escassez de exames para detecção de Covid-19 e influenza também está entre os principais problemas relatados pelos hospitais para atendimento de pacientes com sintomas gripais. 

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA