Saúde

Vacinação de crianças contra Covid deve começar em janeiro, diz Saúde

Publicados

em

image_pdfimage_print


source
Pasta afirmou que é a favor da inclusão de pessoas de 5 a 11 anos no plano de imunização contra Covid-19
Jefferson Peixoto/Secom

Pasta afirmou que é a favor da inclusão de pessoas de 5 a 11 anos no plano de imunização contra Covid-19

O Ministério a Saúde afirmou nesta segunda-feira que a  vacinação contra Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos pode começar em janeiro. Em nota, agora, a pasta diz que é a favor da inclusão de pessoas desta faixa etária no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO) e formalizará decisão no dia 5 de janeiro.

No dia 19 de dezembro, a secretária de enfrentamento à Covid, Rosana Leite Melo, enviou uma nota técnica ao Supremo Tribunal Federal (STF) na qual afirmou que a vacina é segura para essa faixa etária. A medida contraria a posição do presidente Jair Bolsonaro, que tem se colocado contra a vacinação de crianças . Nesta segunda, Bolsonaro afirmou que sua filha Laura não será vacinada . O próprio ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, hesitou sobre o tema nas últimas semanas e afirmou que se tratava de questão sensível e que não demandava urgência. Em 18 de dezembro, o ministro afirmou que a pasta se posicionaria após consulta e audiência pública. Na ocasião, evitou estabelecer data para início da vacinação.

“A recomendação do Ministério da Saúde é pela inclusão das crianças de 5 a 11 anos na Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), conforme posicionamento oficial da pasta declarado em consulta pública no dia 23 de dezembro e reforçado pelo ministro da Saúde em manifestações públicas”, diz a nota da pasta, acrescentando:

“No dia 5 de janeiro, após ouvir a sociedade, a pasta formalizará sua decisão e, mantida a recomendação, a imunização desta faixa etária deve iniciar ainda em janeiro.”

Leia Também:  São Paulo vai aplicar Coronavac em crianças a partir de sábado

Neste mês, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou indicação da vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos. Desde então, o governo tem se manifestado contra a imunização para essa faixa etária. Bolsonaro chegou inclusive a afirmar que divulgaria o nome de servidores da Anvisa que participaram da aprovação imunizante para crianças.

Após a questão ser levada ao STF e diante do impasse, Queiroga decidiu submeter o tema à consulta pública. O procedimento de consulta foi aberto no dia 22 e ficará disponível para contribuições da sociedade até o dia 2 de janeiro. Em entrevistas, Queiroga chegou a afirmar que o tema não exigia urgência uma vez que o número de óbitos por Covid-19 nesta faixa etária era baixo.

Levantamento mostrou que a doença matou uma criança a cada dois dias no país. Até a semana passada, 301 óbitos tinham sido registrados nessa faixa etária desde o início da pandemia.

Diante da lentidão da pasta em definir a questão, o governador de São Paulo, João Doria (PSBD), anunciou que tentava negociar diretamente com a Pfizer a aquisição de vacinas. A farmacêutica afirmou, no entanto, que continuará as negociações com o governo federal.

Leia Também

Na quarta-feira passada, o vice-presidente, Hamilton Mourão, criticou governadores que tentam adquirir imunizantes.

“Os governadores, lamentavelmente, às vezes atravessam o samba. Como foi aquela questão da compra daquela vacina russa [Sputnik V] que acabaram não comprando, não é? Então vamos aguardar”, afirmou o vice-presidente.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra recorde de 204.854 casos em 24h

Em nota nesta segunda-feira, o Ministério da Saúde afirmou que “negociou antecipadamente com a Pfizer a compra de 100 milhões de novas doses de vacina, incluindo todas as faixas etárias que pudessem ser incorporadas ao PNO e imunizantes desenvolvidos especificamente para novas variantes.”

Associação Médica defende vacinação

Nesta segunda-feira, a Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou uma nota defendendo a vacinação de crianças contra Covid-19. A entidade argumentou que a necessidade de vacinação de um público não se dá somente pelo número de óbitos provocado pela doença.


“Por exemplo, gripe, diarreia por rotavírus, varicela, hepatite A, entre outras doenças, faziam menos vítimas do que a Covid-19 em pediatria. E não hesitamos em recomendar a imunização contra todas elas. Vacina-se para prevenir hospitalizações, sequelas, uso de antibióticos, visitas aos serviços de saúde, ocupação de leitos em UTI, entre outros”, diz o comunicado.

A AMB destaca ainda que a decisão da Anvisa de liberar a vacinação desta faixa etária ocorreu somente após ” rigorosos estudos clínicos, tendo como voluntários milhares de indivíduos, com o objetivo de garantir a segurança e eficácia.” A associação ressalta a importância da vacinação para reduzir a transmissão da doença e pedem que os pais vacinem seus filhos.

“Infelizmente já registramos cerca de 300 óbitos na faixa etária de 5 e 11 anos desde o início da pandemia: média de 150 ao ano. Novas mortes são absolutamente evitáveis e temos obrigação de trabalhar nesse sentido”, diz a nota.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Rio: 88% dos internados com Covid-19 não tem esquema vacinal completo

Publicados

em

Por

image_pdfimage_print


source
Registro de um leito para paciente Covid-19
Divulgação: Governo

Registro de um leito para paciente Covid-19

Enquanto há a corrida para acelerar o calendário de vacinação contra a  Covid-19 das crianças, a Prefeitura do Rio ainda tem tentado convencer os atrasados maiores de 12 anos a completarem o ciclo vacinal. Essa grande parcela de população não tem direito apenas às primeira e segunda doses de um dos imunizantes, mas também à dose de reforço (DR) e até a uma quarta — caso dos imunossuprimidos.

Dos 878 internados na rede SUS, dado da manhã desta sexta-feira no painel da Prefeitura do Rio, o número é cada vez maior dos que não tomaram todas as doses, estimado pelo secretário municipal de Saúde Daniel Soranz de chegar a 88%. Isso inclui a falta da DR, que pode ser aplicada com quatro meses de intervalo da segunda. Tal panorama é visto com preocupação.

“A gente está muito preocupado com o aumento das internações por conta dos não-vacinados. Oitenta e oito por cento das pessoas que estão internadas não completaram o seu calendário vacinal. A gente já passa de 61% de taxa de ocupação, ainda não é uma ocupação tão alta quanto no auge da pandemia, mas ela já é bem maior do que a gente já tinha em dezembro. Então é muito importante que as pessoas tomem a dose de reforço. Seiscentos e cinquenta mil cariocas já estão aptos a tomar a dose de reforço e não voltaram para se proteger. A dose de reforço faz muita diferença na internação para a Covid-19 e também nos casos graves”, salientou o secretário em entrevista ao “Bom Dia Rio”, da TV Globo.

Leia Também:  Covid-19: Queiroga diz que não vai adquirir teste 'para deixar vencer'

Segundo o secretário, quem está na hora de tomar a dose de reforço pode ir aos postos que há imunizantes garantidos para os 650 mil cidadãos que estão no tempo certo. Para esse público estão disponíveis imunizantes da Pfizer, da AstraZenica e da Janssen para a DR.

Leia Também

“É muito preocupante. A gente recomenda que as pessoas se vacinem, tomem a terceira dose para evitar ser internada e evitar sobrecarregar o sistema de saúde”, destacou Soranz.

Pela manhã, o painel da Prefeitura do Rio mostrava 74 pessoas na fila de espera por um leito de UTI. Soranz afirmou que o município tem buscado abrir novos leitos, além dos 300 convertidos no Ronaldo Gazolla, em Acari, que foi usado como unidade exclusiva para pacientes com a Covid-19 durante momentos críticos da pandemia.

“A gente já tem leitos no Hospital Ronaldo Gazola, mas a gente está cobrando do governo federal da gestão hospitalar aqui do Rio de Janeiro que reabra 250 leitos no Hospital Geral de Bonsucesso e 150 leitos no Clementino Fraga Filho”, disse.

“Já foram convertidos 300 leitos (no Ronaldo Gazolla) e pode ser necessário converter mais 120”.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA