Voz Pet

Fogos x cachorro: Veja dicas de como cuidar do seu pet

Publicados

em

Com a audição mais sensível que a nossa, fica fácil entender porque cachorro tem medo de fogos. Eles se assustam com os estrondos e instintivamente procuram um lugar para se esconder. Nessa hora, muitos se machucam, ficando presos em janelas e portões, batendo contra portas de vidro ou até se enroscando na coleira.

Na tentativa de se abrigar rapidamente, não são raros os casos de pets que não calculam muito bem o espaço de um portão e ficam entalados, que se machucam com objetos cortantes e assim por adiante.

Por isso, fique de olho em taças e garrafas de vidro no chão, deixe as portas de dentro de casa abertas e garanta que o seu companheiro tenha um caminho livre e seguro para chegar ao abrigo.

Utilize protetores auriculares

Pode parecer bobagem, mas colocar protetores auriculares no cachorro na hora da queima de fogos contribui para que ele fique menos assustado. Na verdade, fazer isso é bom por dois motivos: reduz o susto e protege a audição.

Para obter os melhores resultados, prefira os protetores específicos para proteger ouvido de cachorro com fogos. Mas, se não encontrar, improvise com um pouquinho de algodão (em volume suficiente para que não vá para o fundo do conduto auditivo, mas também sem excessos, para que não caia da orelha).

Aposte no uso de feromônios

Os feromônios sintéticos mimetizam substâncias liberadas pela fêmea durante a amamentação dos filhotes e aumentam a sensação de acolhimento e tranquilidade dos animais. Isso os ajuda a lidar com situações estressantes, como é o caso da queima de fogos. É uma boa alternativa de técnica para acalmar o cachorro com fogos nos dias de eventos.

Fique por perto e tenha empatia

Há quem diga que o melhor a fazer quando o pet está assustado é ignorá-lo. Isso não é verdade! Deixar o cachorro, ou qualquer outro animal, sem suporte pode causar ansiedade e outras complicações para a saúde dele. Mas também não se deve ir ao outro extremo e pegar o pet no colo ao menor ruído excessivo, porque isso pode assustar ainda mais o animal.

Ser companheiro pode ser o melhor remédio para acalmar o cachorro dos fogos. Procure se mostrar disponível e, de preferência, tente brincar com o cão ou oferecer a ele alguns petiscos. A ideia é que ele perceba que está tudo bem e que não há motivos para ele se preocupar com o barulho.

Procure acostumá-lo aos fogos antecipadamente

Expor o animal a vídeos e programas de TV com barulhos altos, como os de fogos ou trovões, pode ir dessensibilizando o animal ao longo do ano, mas isso não se dá de um dia para o outro. Nesses momentos, dê carinho, petisco e brinque com o pet, para que ele comece a associar ruídos altos com momentos gostosos e prazerosos ao seu lado!

Casos de cachorros muito medrosos também devem ser levados à sério. Em animais com esse problema, é importante utilizar técnicas anda mais específicas, receber orientações de um profissional em comportamento canino pode ajudar bastante.

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Voz Pet

Veja os fatores que contribuem para a queda da imunidade em pets

Publicados

em

Você sabe o que é imunidade? É a resistência ou proteção contra algo, normalmente relacionada com doenças e infecções que podem atacar o nosso organismo.

Quando ficamos com baixa imunidade, nos tornamos predispostos a contrair doenças, em decorrência de “ataques” de agentes infecciosos, pois nosso organismo não consegue combatê-los. O mesmo ocorre com os nossos pets. Se estão com a imunidade baixa, seu organismo tem dificuldade de combater esses agentes infecciosos, abrindo espaço para que diversas doenças se instalem.

E o que pode contribuir para a queda de imunidade do seu pets? Entre diversos fatores, estão:

– Estresse: alterações no ambiente, mudança na alimentação, inserção de um novo membro da família (seja humano ou pet), são alguns fatores que podem gerar estresse e, consequentemente, diminuição da imunidade. Apatia, latidos excessivos, agressividade entre outros, podem ser sinais de estresse, e devemos ficar bem atentos, procurando a ajuda de um médico veterinário caso a situação persista.

– Senilidade: animais idosos costumam ter a imunidade diminuída naturalmente, tornando seu sistema imunológico mais frágil. Verifique com o médico veterinário se as necessidades vitamínicas e minerais do seu pet estão sendo supridas com a alimentação e se há necessidade de uma suplementação vitamínica.

– Filhotes: filhotes que ainda não concluíram o ciclo das vacinas, possuem baixa imunidade. Muito cuidado nessa hora! Se o seu filhote não concluiu o ciclo das vacinas indicadas pelo médico veterinário, não deixe que entre em contato com outros animais não vacinados.

– Verminoses: além de causar queda de imunidade, vermes podem transmitir doenças para o seu pet! Mantenha-o sempre vermifugado!

– Alimentação inadequada: uma alimentação inadequada pode levar à deficiência de vitaminas e minerais, diminuindo assim sua imunidade e tornando o seu pet mais susceptível a doenças. As necessidades de vitaminas e minerais não são as mesmas para todos os pets, portanto, a alimentação deve ser adequada à fase em que o mesmo se encontra.

Seja ele filhote, adulto, idoso, esteja em fase de crescimento ou reprodução, uma alimentação e/ou suplementação adequada deve ser provida, sempre com um acompanhamento do médico veterinário.

Portanto, fique atento a qualquer sinal de queda de imunidade nos pets. Vacine-os com a frequência indicada pelo médico veterinário, verifique com o mesmo a possibilidade de um plano de suplementação vitamínica e mineral para o aumento da imunidade, ofereça alimentação de qualidade e esteja sempre atento a mudanças no ambiente e no comportamento dos seus pets!

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VÍDEO INSTITUCIONAL

Beth`s Grill Restaurante

VÍDEO INSTITUCIONAL

VÍDEO INSTITUCIONAL

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

MUNICÍPIOS

MAIS LIDAS DA SEMANA